Um passeio ao Frederiksborg Slot, o magnífico castelo renascentista da Europa.

O Castelo de Frederiksborg está situado em Hillerød, ao norte de Copenhagem. Este impressionante castelo renascentista foi construído durante o reinado de Christian IV (1588 – 1648) e restaurado após um incêndio em 1859. Continuar lendo

Anúncios

Roteiro de 2 dias por Reykjavík, a capital da Islândia!



Reykjavík
é a maior cidade e a capital da Islândia. Situa-se no sudoeste do país e sua localização está em 64º e 08’N, o que torna a capital mais setentrional do mundo.

Está entre as cidades mais limpas, mais verdes e mais seguras do mundo. No inverno tem as noites mais longas e escuras e no verão podemos encontrar o sol da meia noite.

COMO CHEGAR:
Eu cheguei na Islândia, voando de ICELAND AIR, partindo de Oslo (Noruega). Desembarquei no Aeroporto Internacional de Keflavik (KEV) que é o maior aeroporto atendendo as diversas empresas aéreas internacionais e nacionais. A cidade de Reykjavik está 49 km do aeroporto, sendo acessível de carro ou ônibus, pois não existem ferrovias no país.

Eu reservei o transfer do Aeroporto à cidade e vice versa pela GET YOUR GUIDE. Mas como acabei comprando na data errada (chegada), bem minha cara fazer isso (rsss), tive que pagar novamente o transfer para cidade. No próprio aeroporto existe o posto da AIRPORT DIRECT e comprei com eles mesmo.  Eles levam diretamente para alguns hotéis ou para as paradas que ficam próximas aos outros hotéis.  Para volta, foi a mesma coisa, eles pegam nas paradas ou nos hotéis e nos levam para o aeroporto direto no horário combinado.

ONDE FICAR:
Eu fiquei em três locais diferentes, por conta de valores. O primeiro hotel local foi bem perto da estação de ônibus, o segundo local foi um hotel próximo à parada nº 3 e o terceiro hotel foi próximo à parada nº 6.  Eu recomendo os dois últimos hoteis: City Center Hotel e Apartment K.

Travel Inn Guesthouse
Soleyjargata 31 – Reykjavik, Islândia
O hotel não possui recepção 24 horas, Wi-fi bom e estacionamento no local. Por não ter recepção 24 horas se não marcar com antecedência pode correr o risco de ficar aguardando no local. Outra coisa que não gostei é que não tem local para deixar as malas.

City Center Hotel
Austurstraeti 6 – Reykjavik, Islândia
O hotel possui recepção 24 horas, academia, bar/lounge e restaurante, serviço de lavanderia, lojas de presente. Equipe muito simpática. Wi-Fi rápido. Quarto confortável e chuveiro bem quentinho.

Apartment K
Thingholtsstraeti 2-4 – Reykjavik, Islândia
O hotel possui recepção 24 horas, serviços de lavanderia, armazenamento para bagagem e um ótimo Wi-fi. Apartamento super confortável e espaço bem amplo.

COMO SE LOCOMOVER:

O centro da cidade, com seus principais pontos turísticos, é facilmente percorrido a pé. Porém, como há alguns lugares mais afastados, eu acabei me locomovendo de ônibus. Os bilhetes podem ser comprados no próprio ônibus por 350 ISK. (somente quantia exata, pois eles não devolvem dinheiro).

Outra opção é comprar o Reykjavík City Card, que oferece 24, 48 ou 72 horas de viagem ilimitada nos ônibus da cidade, além de dar acesso às principais atrações e descontos em lojas e restaurantes.

O QUE FAZER:

DIA1
:
Eu aproveitei a manhã no Blue Lagoon, portanto só tive meio dia para aproveitar a cidade.

HALLGRIMSKIRKA
Como eu estava hospedada no Travel Inn Guesthouse, subi a Njarðargata em direção a igreja luterana da cidade, que fica no topo mais alto da cidade e pode ser vista de quase todos os lugares da cidade. Essa é a mais famosa atração popular, o lugar mais fotografado e o cartão postal da cidade.

Em frente à igreja está a estátua de Leif Eriksson, o explorador viking que foi um dos primeiros europeus a pisar em solo norte americano. Foi colocada lá antes da construção da igreja.

Com 74,5 metros de altura é a maior igreja da Islândia e uma das estruturas mais altas do país. O monumento é dedicado a Hallgrímur Pétursson, o mais famoso poeta religioso da Islândia. Sua construção levou 41 anos (começou em 1945 e terminou em 1986). As colunas dos dois lados da torre representam o basalto vulcânico, parte do desejo de criar um estilo arquitetônico nacional.

A sua visita é gratuita. A igreja abriga um órgão composto de 5275 tubos, com uma altura de 15 metros de altura e 25 toneladas. Foi construído pelo alemão Johannes Klais de Bonn e sua construção foi concluída em dezembro de 1992.

Sua torre de 73 metros de altura. Para subir lá, é preciso ter paciência e enfrentar uma boa fila para pegar o elevador e pagar uma pequena taxa para manutenção e funcionamento da igreja. Mas vale a pena, pois de lá de cima temos uma visão panorâmica de toda cidade.

Localização: Skólavörðustígur
Preço: 1000 ISK (adultos) e 100 ISK (crianças de 7 a 16 anos) para subir na torre.
Horário:
9h às 21h de maio a setembro (verão) e até às 17h de outubro a abril (inverno). Torre fecha meia hora mais cedo.

LAUGAVEGUR
Desci a rua Skólavörðustígur até chegar a Laugavegur que é a principal rua comercial da cidade. Ambas as ruas estão repletas de lojas, bares e restaurantes.

Lá está localizado o centro de turismo, além de várias lojas turísticas, vendendo imãs de geladeiras, livros, bichos de pelúcias e todos os tipos de lembrança.

Também vi diversas artes de rua e como adoro fotografar tudo, fui tirando diversas fotos. A maioria dos artistas tem permissão dos proprietários dos edifícios para pintar as paredes e o estilo mais artístico é o grafite.

SUN VOYAGER
Desci a Snorrabraut até Sæbraut e fui andando pela orla até uma escultura que lembra o esqueleto de um navio viking e um dos pontos turísticos mais visitados da capital. Foi inaugurado em 1990 para comemorar o 200º aniversário da cidade de Reykijavík.

De lá temos uma linda vista do Monte Esja, uma montanha que se estende junto a Kjalarnes.

HARPA CONCERT AND CONFERENCE CENTER
Fui caminhando á beira mar até chegar a  principal sala de concertos e o centro de conferências de Reykjavík.  Inaugurado em 2011, seu design foi projetado em colaboração da empresa de arquitetura dinamarquesa Henning Larsen Architects com a firma de arquitetura islandesa Batteríið Architects.

Um dos marcos mais emblemáticos da cidade, Harpa ganhou o prestigioso premio Mies van de Roheem de 2013, conhecido como o Prêmio Europeu de Arquitetura Contemporânea. Sua estrutura é linda e única, tem uma fachada com 714 painéis de vidro, todos com uma forma diferente e todos construídos com uma luz de LED que permite a exibição sempre que o céu estiver escuro.

Harpa hoje abriga exposições, concertos, eventos culturais, reuniões e diversos festivais. É o lar da Orquestra Sinfônica da Islândia. Lá também tem algumas lojinhas de lembranças.

Pode-se fazer a visita guiada de 30 minutos por 1500 ISK. Estas funcionam duas a três vezes por dia durante todo o ano.

Localização: Austurbakki 2
Horário: 08 as 00h, porém sua bilheteria das 12h00 as 18h00.

LAEKJARGATA
Voltei pela Laekjargata, uma das ruas do centro de Reykjavik. A rua tem algumas casas antigas, cafés, restaurantes e lojas diversas. Lá encontra-se a Mentaskolinn i Reykavík, uma instituição de ensino mais antiga do país que ainda está em funcionamento. Construída em 1845, muitos islandeses famosos estudaram nessa escola. Nessa rua também está o Palácio do Governo, uma prisão em tempos antigos.

THE CULTURE HOUSE
Subindo a Hverfisgata cheguei ao  edifício de 1908, com vistas sobre o porto, este museu faz parte do Museu nacional da Islândia e conta coisas interessantes sobre o passado do país. Tem um café elegante no piso térreo e um urso polar empalhado.

Localização: Hverfisgata 15
Preço: 2000 ISK
Horário: Todos os dias das 10h00 as 17h00

THE ICELANDIC PUNK MUSEUM
Voltei pela Bankastræti, onde está o The Icelandic Punk Museum, um museu bem pequeno, localizado em um antigo banheiro público, que está repleto de informações sobre a história da musica punk na Islândia, que é contada em ordem cronológica por meio de trechos de textos, jornais, fotos e videoclipes. Foi inaugurado formalmente por Johnny Rotten, em 2016.

Localização: Bankastræti 0
Preço:1000ISK
Horário: Todos os dias: das 10h00 às 22h00

DIA2:
Acordei bem cedinho e comecei explorar a cidade.

HAFNARHÚS
Iniciei o passeio nas ruas perto do City Center hotel, onde eu estava hospedada. Logo encontrei  um dos três edifícios que abriga as exposições do Museu de Arte de Reykjavík.

O museu, um escritório e armazém de pesca reformado, foi construído na década de 1930 e consta com 6 galerias diferentes onde se pode encontrar obras de artistas famosos e de novos visitantes. As exposições mudam regularmente, mas concentram-se nas pinturas. O edifício também contém uma loja de livros e design. O elegante café no segundo andar é um local popular para o almoço.

Localização: Tryggvagata 17
Preço: 1800 ISK
Horário: das 10h00 as 17h00

MUSEUM OF PHOTOGRAPHY
Ao lado do Hafnarhús fica a Biblioteca da Cidade e também o principal museu de fotografia de Reykjavík, que oferece um programa de exposições contemporâneas e históricas, além de um arquivo de milhares de imagens do passado.

Localização: Tryggvagata 15
Preço: 1000 ISK
Horário: 10h-18h de segunda a sexta, das 11h às 18h de sexta, das 1h às 17h aos finais de semana.

Fui andando pela região do Old Harbor, área vizinha do centro, onde também localiza-se alguns museus.  Além de ser um belo lugar para caminhar, tem vistas deslumbrantes para baía.

MARITIME MUSEUM
É na região do Old Harbor que está localizado o Museu Marítimo, em uma antiga fábrica de peixes recém reformada. A nova exposição permanente do museu (Fish & Folk), mostra todas as formas de pesca desde o século IX até os dias atuais com muito material fotográfico. Um museu muito bom com recursos interativos e um par de jogos temáticos náuticos adequados para todas as idades.

Além disso, há o Óðinn, um ex-navio de guarda costeira de 900 toneladas que agora descansa no porto. As visitas guiadas diárias revelam a fascinante história desta grande embarcação. Há três visitas guiadas de uma hora por dia às 13:00, 14:00 e 15:00.

Localização: Grandagarður 8
Preço: 2600 ISK
Horários: 10h00 as 17h00

SAGA MUSEUM
É neste museu que a história islandesa é mostrada por modelos de silício e uma trilha sonora multilíngue, com sons de machados e gritos. Há também uma sala para tirar fotos vestido Viking e um documentário sobre a criação do museu.

Localização: Grandagarður 2
Preço: 2000 ISK (adultos) e 800 ISK (crianças).
Horários: 10h00 as 18h00

AURORA REYKJAVÍK
Este museu é bastante pequeno, mas tem uma grande quantidade de informações e diversão em um pequeno espaço. É uma aula sobre a Aurora Boreal. É muito interessante. Embora o vídeo e os cartazes sejam em inglês, são fornecidas gratuitamente pastas com a tradução em vários idiomas, inclusive português. Recomendo

Localização: Grandagarður 2
Preço: 1600 ISK (adultos) e 1000 ISK (crianças).
Horários: 09h00 as 21h00

WHALES OF ICELAND
Este museu abriga modelos em tamanho real das 23 espécies de baleia encontradas da costa da Islândia. É o maior deste tipo na Europa e exibe modelos de esqueletos de baleia, além de guias de áudio e telas multimídia explicativos.

Localização: 23 de fiskislóð
Preço: 2900 ISK (adultos) e 1500 ISK (crianças).
Horários: 10h00 as 17h00

https://guidetoiceland.is/travel-iceland/drive/whales-of-iceland

MARSHALL HOUSE
A Marshall House foi construída em 1948 como uma fábrica de farinha de peixe. E somente em 2017 foi renovada para ser usada como Centro Cultural. Ela abriga hoje 3 instituições: O Museu de Arte Viva, a Galeria Kling & Bang e o Estúdio Ólafur Elíasson. No térreo tem um Restaurante  com foco em frutos do mar e bebidas saborosas.

Localização: Grandagarður 20
Preço: Gratuito

http://www.nylo.is/wordpress/wp-content/uploads/2014/03/marshallhusid_net.jpg

PÚFA
Situado na foz do Ghandi, é um monte de grama de 8 metros de altura que foi criado pelo artista Ólöf Nordal em 2013. Com 4500 toneladas de cascalho é uma das maiores obras de arte já feitas na Islândia. No topo está o galpão de peixes que secam ao vento, uma antiga maneira de sobreviver. É preciso seguir um caminho espiral até o topo, mas vale a pena, pois lá oferece belas vistas para baía.

Localização: Norðurslóð

https://www.lonelyplanet.com/iceland/reykjavik/attractions/thufa/a/poi-sig/1571091/359560

Voltei em direção a Old Reykjavík, o coração da capital e ponto de mais passeios históricos. Passei pela igreja católica que foi construída em 1929, em estilo gótico, em uma colina com vista para o centro de Reykjavík. A única escola católica da Islândia, a Landakotsskóli, está localizada nas proximidades da mesma propriedade.

Localização: Túngata 13
Preço: Gratuito
Horário: 07h30 as 21h030


LANDNAMSSYNINGIN (The Settlement Exhibition)

É uma exposição sobre o assentamento da cidade. Criada pelo Museu da cidade a exposição e baseada na escavação arqueológica da ruina de uma das primeiras casas da Islandia. O foco da exposição são os restos de um salão da era do assentamento que foi escavado em 2001. Também estão expostos objetos da Era Viking, encontrados no centro de Reykjavík e na ilha de Viðey .

Localização: Aðalstræti 16
Preço: 1700 IKS
Horário: 09h00 as 18h00

DÓMKIRKJA

Continuei sentido a Igreja de Domkirkja, a principal catedral da cidade. É bem modesta, mas desempenhou um papel vital na conversão do país ao luteranismo. A igreja foi construída no final do século XVIII e ampliada na década de 1840

Localização: Kirkjustræti
Preço: Gratuito
Horário: 10h00 as 16h30

PRAÇA AUSTURVÖLLUR

A próxima parada foi na praça pública no centro de Reykjavik. Ao seu redor encontram-se cafés, clubes, lojas e hotéis. A estátua no centro é de Jón Sigurôsson, que o herói nacional da Islândia.  Lá está o Cone Negro, um monumento à desobediência civil, esta escultura de um cone que divide uma rocha serve como lembrete de que é direito e dever do povo protestar quando o governo viola seus direitos.

Ao lado está a Casa Alpingi, que é hoje o Parlamento Islandês e a assembleia representativa em andamento há mais tempo no mundo. Foi construída em 1881, embora não tenha sido a primeira sede do Parlamento islandês; que foi estabelecido em 930AD em Thingvellir. Observe a coroa e símbolo no edifício, estes são do rei dinamarquês Christian IX. A Islândia se tornou independente da Dinamarca em 1944.

https://iceland.nordicvisitor.com/travel-guide/attractions/reykjavik-capital-area/austurvollur/

LAGOA TJÖRNIN

A lagoa é um lugar bem bonito para passear. Encontra-se lá uma variedade de patos e cisnes que ficam lá o ano todo, devido ao fato de que um canto do lago é aquecido geo termicamente, de modo que nunca congela. No inverno na outra parte do lago congela tão espesso que é possível patinar no gelo (eu não tentei pisar).

Localizada às margens da lagoa está a Ráðhús Reykjavíkur, a prefeitura de Reykjavík. O edifício foi erguido em 1992, após uma competição design e também abriga, desde 2017 no piso térreo, o centro de informações turísticas e um café, além disso apresenta exposições temporárias e um belo mapa 3D da Islândia.

Localização: Vonarstræti
Horário: 08h00 as 16h00 (segunda a sexta)

Em frente a prefeitura há uma estátua de um homem “sem rosto”, segurando uma pasta e caminhando em direção à prefeitura.  É uma representação dos funcionários que todos os dias caminham para seu trabalho.

A lagoa é cercada por locais culturais como a Galeria Nacional da Islândia e o Teatro Tjarnabío.

Faz fronteira com o Hljómskálagarðurinn, um belo parque da cidade que inclui equipamentos de brincar para crianças e várias esculturas fascinante que foram produzidas por mulheres, cinco das quais eram islandesas e uma dinamarquesa.

Em frente a lagoa está a Igreja Luterana Fríkirkjan

PJODMINJASAFN ISLANDS – MUSEU NACIONAL DA ISLÂNDIA

Fui caminhando pelo parque até chegar ao Museu Nacional da Islândia. Espalhado por três andares, o museu abriga uma coleção de artefatos, objetos, ferramentas, móveis, vestígios e exposições do assentamento até os tempos modernos que ajudam os visitantes a entender como a história, religião e política do país se moldaram. Em um lugar de destaque está a porta Valthjófsstadur, com elaboradas gravuras medievais representando cenas do lendário conto do cavaleiro do século XII Le Chevalier au Lion.

Ao lado do museu está a Universidade da Islândia, a mais antiga e maior do país. Foi fundada em 1911 como escola de funcionários públicos, mas hoje abriga vinte e cinco faculdades, divididas entre campos de ensino e pesquisa que incluem humanidades, medicina, ciências naturais, formação de professores, ciências sociais e engenharia. A maior escola é a das ciências sociais, com cerca de 4700 alunos matriculados.

Localização: Suðurgata 41
Preço: 2000 ISK
Horário: 10h00 as 17h00

MUSEU PERLAN

Peguei um ônibus e me dirigi para o Perlan, um museu com uma cúpula de vidro giratória que fica no alto de uma colina. Foi construído em cima de 6 tanques de água que junto armazenam 24 milhões de água quente de Reykjavík, em 1991 pelo arquiteto Inngismundur Sveinsson.

Dentro do museu pude encontrar um restaurante e muitas exposições. A exposição Glaciar foi inaugurada em julho de 2017 e possui um túnel de gelo com 100 metros de comprimento onde é possível conhecer um pouco do passado, do presente e do futuro das geleiras da Islândia.

Além das exposições, o Perlan tem um deck de observação que oferece uma vista impressionante da cidade e também uma das mais antigas lojas de presente de Reykjavík, onde encontrei diversos produtos feito por artesãos islandeses.

Há um ônibus gratuito que parte do Harpa para o Perlan das 09h00 as 17h00

Localização: Öskjuhlíð
Preço: 3900 ISK (adultos) , 1950 ISK (crianças)
Horário: 08h00 as 20h00

HOFOI

Me dirigi para o Hofoi, uma casa em Reykjavík construída em 1909. Inicialmente foi a residência do consul francês e mais tarde de Einar Benediktsson, um poeta e homem de negócios. Em 1958 a casa foi comprada e restaurada pela cidade e hoje é utilizada para acolher cerimonias.

Foi na conferencia de Reykjavík que reuniu Reagan e Gorbacheve, em 1986 que seria o primeiro passo para o fim da guerra fria. Dentro do prédio as bandeiras dos Estados Unidos e da União Soviética foram penduradas de maneira cruzada para comemorar o encontro.

Localização: Borgartún 105

LAUGARDALSVÖLLUR

Fui andando até o Laugardalsvöllur, um recinto desportivo em Reykjavík. Considerado o estádio nacional do país. O campo foi inaugurado em julho de 1957 e tem capacidade para 15.000 pessoas.

Nele se jogam partidas de futebol e provas de atletismo, e é o campo onde a Seleção Islandesa de Futebol disputa as suas partidas em casa. Como uma boa amante do futebol, não pude deixar de conhecer o local.

Localização: Associação de Futebol da Islândia, Laugardalur, IS-104, Reykjavík

MUSEU DO PÊNIS

Retornando ao centro, fui em uma atração, certamente incomum, o Museu Falológico da Islândia, mas conhecido como Museu de Pênis. Fundado em 1997 pelo professor Sigurður Hjartarson e agora dirigido por seu filho Hjörtur Gísli Sigurðsson.

Abriga a maior exibição de pênis e partes penianas do mundo, onde podemos ver mais de duzentos pênis de animais nativos da Islândia, incluindo diversas espécies de baleias, focas e urso polar. Porém, somente em 2011, o museu obteve o seu primeiro pênis humanos, um dos 4 doados. A coleção também apresenta arte fálica e artesanato como abajures feitos a partir dos escrotos de touros.

Localização: Laugavegur 116
Preço: 1500 ISK
Horário: 10h0 as 18h00

TALES FROM ICELAND

Pertinho está um salão de exposição de dois andares com um total de 14 telas que apresentam um documentário de 3 a 4 minutos, apresentando a história e a cultura da Islândia.

Localização: Snorrabraut 37
Preço: 2200 (adulto), 1100 (criança)
Horário: 09h00 as 17h00

Tem três lugares que gostaria de conhecer, mas acabou não dando tempo.

Bessastaðir

É a residência oficial do presidente da Islândia. Fica situada no Álftanes, não muito longe da capital. Foi fundada em 1000 e somente em 1940, Sigurður Jónasson comprou Bessastaðir e doou-a ao estado em 1941, como residência do regente e depois do presidente da Islândia.

https://www.forseti.is/styleguide/

Árbær Open Air Museum

Cerca de 20 edifícios antigos foram transportados de seus locais originais para Árbæjarsafn ao ar livre. Ao lado de casas do século XIX, há uma igreja com telhados de grama e vários estábulos, animais domésticos, forjaria, celeiros e casas de barcos – todos muito pitorescos. No verão, há demonstrações de artes e artesanato e as turnês do ano acontecem às 13h. Está a 4 km a sudeste do centro da cidade.

Localização: Kistuhylur 4
Preço: 1650 (adulto)
Horário: 10 as 17 (junho a agosto) e 12h00 as 17h00 (setembro a maio)

http://www.oneparentholidays.ie/learn-about-iceland-s-history-at-the-arbaer-open-air-museum-2/

Viðey Island

No verão, há partidas diárias de balsa, tanto do píer Skarfabakki quanto do porto de Ægisgarður. O serviço de inverno funciona aos sábados e domingos, de Skarfabakki a Viðey. Lá pode-se encontrar vistas deslumbrantes, ruínas históricas e peças de arte contemporânea.

É lá que está a famosa “Imagine Peace Tower”,  que é uma obra de arte concebida como um farol para a paz mundial pela lendária Yoko Ono. Tem a forma de um poço dos desejos, do qual uma poderosa torre de feixes de luz. As palavras IMAGINE PEACE estão inscritas no poço em 24 idiomas diferentes. A torre é composta de várias luzes individuais que se unem para formar um único feixe. A inauguração foi em 9 de outubro de 2007, dedicada à memória de John Lennon. Desde então ilumina o ceu anualmente de 9 de outubro a 8 de dezembro.

https://www.plugon.us/travelguru/imagine-peace-tower-4b48e

ONDE COMER:

Dentre os diversos lugares que comi, o que mais recomendo é o HARD ROCK CAFÉ, localizado na Lækjargata 2A, 101, no centro de Reykjavík.

ONDE COMPRAR:

Jólahúsið

É uma loja de natal onde pude encontrar tudo que pode-se imaginar relacionado ao Natal. Eu simplesmente amei a casa e trouxe um “papai noel” enorme. Super indico para quem gosta de trazer ornamentos para enfeitar a casa no final do ano. Fora que a funcionária foi super simpática. Localização : Hafnarstræti 2.

The Icelandic Store

A loja é especializada em blusas de lã de ovelha, que são feitas à mão. O fio obtido destas ovelhas é diferente porque é uma raça pura. Os desenhos dos suéteres refletem os padrões islandeses tradicionais, que também incorporam um estilo moderno. Localização: Skólavörðustígur 19

Fonte:
https://en.wikipedia.org/wiki/Reykjavík
https://en.wikipedia.org/wiki/Hallgrímskirkja https://en.wikipedia.org/wiki/The_Sun_Voyager
https://en.wikipedia.org/wiki/Harpa_(concert_hall)

Excursão Lagoa Glaciar (Jökulsárlón)!! Uma das mais belas da Islândia.

Essa excursão é uma das mais longas que a Bus Travel Iceland faz, mas certamente vale a pena.

O tour começa com o serviço de transporte que pega os passageiros em alguns hotéis ou nas paradas. No meu caso, como tinha mudado de hotel e estava no City Center Hotel, o local de encontro foi a parada número 3 . Esse passeio foi realizado com um ônibus grande e não precisei apresentar o voucher, pois o motorista já tinha meu nome completo.

https://www.thekatieshowblog.com/iceland-as-a-solo-female-traveler/

O passeio iniciou-se as 07h00 com destino ao Parque Nacional de Vatnajökull onde está localizada a Lagoa Jökulsárlón.

A primeira parada foi na incrível Cachoeira Seljalandsfoss, que tem 60 metros de altura e é uma das mais conhecidas da Islândia. No post do Southern Iceland Tour, escrevi um pouco sobre ela e fiz um vídeo onde foi possível caminhar por trás dela.

A cachoeira é alimentada pelo famoso vulcão Eyjafjallajokull, um vulcão glaciar de 1651 metros de alturas que se tornou famoso em 2010 quando entrou em erupção e jogou uma enorme quantidade de cinzas no ar, fechando o tráfego aéreo em muitos países da Europa. Ele pode ser visto a partir do anel viário e vale a pena uma parada para fotografá-lo.

Na cidade de Hvolsvöllur há um centro de visitantes do vulcão, que se concentra na experiência de uma família cuja fazenda (Fazenda Þorvaldseyri) foi uma das muitas destruídas pelas enchentes, lavas e cinzas do vulcão.

https://nats.aero/blog/2015/04/five-years-on-from-the-ash-cloud-crisis-whats-changed/

A segunda parada foi Eldhraun, o campo de lava de fogo. Este campo foi criado pelo fluxo de lava durante a erução do Lakagígar que durou de 1783 a 1784.

O campo de lava sólido tem 565 Km² e está localizado perto da vila de Kirkjubæjarklaustur. Todo o campo de lava é coberto por uma espessa camada de musgo que faz com que pareça completamente sobrenatural.

A terceira parada foi em Skeiðarársandur, uma vasta extensão de areia gerada pelo transporte de escombros pelos rios Skeiðará e outros, cujo fluxo é gerado pelo glaciar Skeiðarárjökul.  A área situa-se entre a montanha Lómagnúpur a oeste e Skaftafell a leste e cobre cerca de 600 km².

A seção do anel viário que atravessa Skeiðarársandur foi à última parte da rodovia a ser construída em 1974, mas no final de 1996, as três pontes foram arrastadas pela erupção de Grímsvötn. Lá vimos o memorial de vigas de ponte retorcidas e uma placa de informações.

De lá conseguimos avistar Hvannadalshnúkur, o pico mais alto da Islândia (2200 metros) na borda noroeste do vulcão Öræfajökull, que faz parte do Parque Nacional de Skaftafell. Esse pico é em forma de pirâmide e fica coberto de gelo ao longo do ano.

O parque é um local popular para atividades como caminhadas nas geleiras. Há o centro de visitantes em Skaftafell que funciona como um ponto de encontro para os operadores turísticos. O centro contém informações sobre o local, sobre as trilhas, opções de lazer e acomodações.

Partimos então para o nosso próximo destino que é a própria Lagoa Jökulsárlón que está localizada na parte sudeste da Islândia.

As vistas da Rota1 são inacreditavelmente lindas.

A lagoa tornou-se oficialmente uma reserva natural e parte do Parque Nacional de Vatnajökull em 2017. O Parque tem uma área de 14.141 km², sendo o 2º maior parque nacional da Europa.

O volume do glaciar Vatnajökull atingiu seu pico por volta de 1930, embora esteja diminuindo rapidamente devido à mudança climática. Se os níveis de temperatura continuarem a subir, a geleira pode chegar ao fim do próximo século.

Um dos marcos mais visitados no parque também é a Lagoa Glaciar Jökulsárlón, que fica na base do glaciar Breiðamerkurjökull. A palavra Jökulsárlón significa “lagoa fluvial glacial”.

A lagoa é alimentada pelo glaciar Vatnajökull, a maior calota de gelo entre o Ártico e a Antártida que cobre 8% da Islândia. É imperdível e está na lista de viagens da Lonely Planet.

Jökulsárlón foi cenário para quatro filmes de Hollywood : “A View to a Kill” eDie Another Day”, ambos da série James Bond, “Lara Croft: Tomb Raider” e “Batman Begins”, bem como a série “Game of Thornes”.

Tem uma profundidade de 250 metros e mede cerca de 20 km². Devido ao forte derretimento das geleiras, a lagoa tem dobrado de tamanho desde 1970. Com isso é considerada o lago mais profundo e o maior lago glacial da Islândia.

Os maiores icebergs podem ter até 20 a 30 metros de altura. Esses icebergs são compostos de gelo com mais de 1.000 anos de idade.

Os icebergs podem ser azul turquesa, brancos leitosos ou transparentes. A cor dele depende da sua textura.

O que torna Jökulsárlón tão singular é que seus icebergs têm listras pretas bizarras. As  camadas negras e espessas vêm de antigos eventos vulcânicos. Cada camada pode representar uma violenta erupção vulcânica.

A lagoa é aberta para o mar e contém uma mistura de sal e água doce, dando-lhe uma cor verde-azulada única.

Os icebergs que se desprendem da geleira, ficam flutuando e lentamente se movem em direção ao Oceano Atlântico. Isso cria uma visão maravilhosa do local.

Lá há um lugar pequeno para alimentação e compras de souvenirs. Comprei alguns cartões postais da região.  🙂

Há passeios de caiaque ou barco no verão. No inverno pode-se pegar o Barco Anfíbio para visitar a maravilha natural da lagoa por dentro. A bordo do barco o guia contará tudo sobre a história e os fatos relacionados a este lugar.

Quando realmente chegam ao mar, as ondas continuam empurrando os Icebergs, para trás, quebrando-os em espaços menores. Eles acabam sendo arrastados para praia, decorando a areia negra ao longo de centenas de metros.

O lugar onde são levados é chamado de Praia de Breidamerkursandur, a famosa Diamond Beach, que está a 1 km da lagoa.

A areia negra contrasta com a cor azul cristalina dos pequenos icebergs tornando esse lugar extremamente belo. É a atração natural mais fotografada da Islândia.  E eu não pude deixar de fotografar lá também.

Tem os passeios na caverna de gelo na região, que eu não fiz. O mais famoso é o Blue Ice Cave. Essas cavernas de gelo são formadas pela interação da temperatura do ar, do gelo e da água derretida glacial.  São temporárias, porque se formam no outono e se fundem na primavera, portanto elas variam muito de ano para ano.

https://dissolve.com/stock-photo/View-inside-ice-cave-under-Vatnajokull-Glacier-rights-managed-image/102-D246-40-106

Apenas uma hora da praia de Diamond Beach está Höfn, uma cidade pesqueira de pouco mais de 2.000 pessoas. O nome Höfn significa porto e diferentemente do resto do país, este trecho é praiano e plano. Porém não paramos lá, seguimos direto, voltando para Reykjavik onde tivemos uma parada na região de Vík í Mýrdal, onde está localizado o ICEWEAR MAGASÍN.

Dicas de segurança:

1) Não tentar nadar na lagoa ou no mar. A água é extremamente fria durante todo o ano todo e pode causar hipotermia em apenas alguns minutos.

2) Nunca pisar no gelo. Os icebergs podem desmoronar a qualquer momento. Mesmo durante o inverno mais frio, a lagoa pode não congelar o suficiente para que seja seguro pisar nela, já que a água da lagoa é misturada com água salgada do mar. Às vezes, quando a neve cobre as margens, é difícil ver onde a água começa e a terra termina.

O que levar:
– Roupas quentes e a prova d’água e bota resistente
– Comida, pois não paramos em muitos locais e é um passeio bem longo.

O dia estava frio e chuvoso, mas deu para aproveitar. Pena que com o céu cinzento as fotos não ficam lindas e não dá para retratar toda a beleza do lugar.

Apesar do passeio ser longo, com duração de 14 horas, o nosso guia Pétur Eggerz nos manteve entretidos, contando diversas particularidades sobre o lugares que passamos e sobre a Islândia como um todo, como por exemplo que não existe mosquito na Islândia, que contei no seguinte post. E o motorista Bjarni Emil Kristinsson, super gentil e educado. Ambos foram muito legais e simpáticos e durante todo passeio interagiram conosco, 🙂 Ônibus extremamente confortável, com Wi-Fi gratuito.

Uma das melhores experiências que tive. A Islândia é definitivamente uma visita obrigatória. O passeio foi incrível, Diamond Beach e Glacier Lagoon são algo que eu nunca vou esquecer. Super recomendo o passeio!!

Fonte: 
https://guidetoiceland.is/travel-iceland/drive/vatnajokull
https://en.wikipedia.org/wiki/Jokulsarlon
https://en.wikipedia.org/wiki/Vatnajokull
https://www.extremeiceland.is/en/destinations/jokulsarlon-glacier-lagoon

Passeio relaxante na Blue Lagoon – O SPA geotérmico da Islândia.

Blue Lagoon ou Bláa Lónið, em islandês, é um SPA geotérmico no sudoeste da Islândia. A lagoa é artificial e foi criada acidentalmente pela Usina Svartsengi, localizada nas proximidades, em 1976. Desde então se tornou um uma das atrações mais famosas, visitadas e imperdíveis do país. A National Geographic já a classificou como uma das 25 maiores maravilhas do mundo. Continuar lendo

6 dias na Islândia. O que conhecer?

A Islândia é a 18ª maior ilha do mundo depois da Grã Bretanha e a 2ª maior ilha da Europa. Está localizada no Atlântico Norte. O país está totalmente ao sul do círculo polar ártico e faz parte dos cinco países nórdicos.

O país vizinho mais próximo é a Groenlândia, com apenas 286 km, seguindo pelas Ilhas do Faroe, com 420 km, Escócia com 795 km e Noruega com 950 km de distância.
Continuar lendo