Visitando o Gueto de Riga e o Museu do Holocausto da Letônia

O Museu do Holocausto de Riga é um museu ao ar livre. Foi inaugurado em 21 de setembro de 2010 com o objetivo de preservar memórias sobre a comunidade judaica na Letônia e a tragédia do holocausto durante a Segunda Guerra Mundial. A visita ao museu é gratuita, mas as doações são incentivadas.

Está localizado em uma área histórica de Riga, a uma curta caminhada do Mercado, perto da localização original do Gueto de Riga, no bairro Maskavas Vorstadt. O Museu tem duas entradas, uma pela Krasta iela e outra pela Maskavas iela. O horário de funcionamento é das 10h00 as 18h00 nos dias úteis e aos domingos.

HISTÓRIA

O gueto de Riga foi estabelecido em 25 de outubro de 1941. Na época, os nazistas transferiram todos os judeus de Riga e arredores para o gueto, uma área pequena de 16 quarteirões, separada do resto da cidade por arame farpado e guardas armados. A maioria dos judeus da Letônia (cerca de 35.000) foi morta no inverno de 1941 no massacre de Rumbula.

VISITA

A entrada de paralelepípedos do museu foi criada a partir dos paralelepípedos de Ludzas Iela, a rua principal do gueto. Os portões do museu foram recriados a partir de fotografias.

Primeira parte: EXPOSIÇÃO – ESTANDES INFORMATIVOS

Nessa parte encontra-se o Mapa do gueto de Riga, anteriormente localizado no subúrbio de Moscou de Riga.

As Fotos contemporâneas de edifícios do antigo gueto de Riga podem ser vistas nos estandes informativos. Até agora, a maioria (250 edifícios) dos edifícios do gueto de Riga ainda existe. Também encontram-se as Fotos de rabinos e sinagogas letãs. Sinagogas estavam localizadas em todo o país. Nos anos anteriores à guerra, o número total de sinagogas e casas de oração na Letônia chegou a cerca de 200.

Estão no local os estandes dedicados a escolas e educação judaicas na Letônia e os dedicados a personalidades judaicas e fotos de soldados judeus que lutaram pela independência da Letônia. Estandes dedicados ao movimento de resistência do gueto de Riga e aos libertadores de judeus na Letônia.

Em uma parede memorial e estandes informativos mostram a história da Segunda Guerra Mundial e do Holocausto. Há uma rua modelo do gueto de Riga – tanto a cerca quanto os portões foram feitos quando foram atacados durante a ocupação nazista. Os paralelepípedos foram levados ao museu pela Rua Ludzas, que era uma das principais ruas do gueto de Riga.

O Grande Muro Memorial, localizado ao longo da rua, contém mais de 70 mil nomes de judeus letões que morreram no Holocausto. A seção que descreve os eventos do Holocausto em Riga e no resto da Letônia.

O Segundo Muro do Memorial é dedicado aos 25.000 judeus da Europa Ocidental que deportaram para Riga para extermínio.

Segunda parte: EXPOSIÇÃO – ESTANDES 3000 DESTINOS

É dedicada aos judeus enviados do gueto de Theresienstadt (hoje Terezín, República Tcheca) a Riga para extermínio entre 1941-1942. Exposição “jornada com final incerto”. A artista de Bremen, Dagma Calais, focou em sua arte eventos da história alemã.

Para esta instalação, Dagmar Calais moldou à mão e inscreveu 230 placas memoriais em concreto, uma para cada pessoa com raízes judaicas que foram deportadas de Bremen para Theresienstadt em julho de 1942 e fevereiro de 1945. As placas no piso apontam para uma pintura da Estação central de Bremen, representando o início de um diário de sentido único, que geralmente terminava em Theresienstadt ou nos campos de extermínio.

Terceira parte: EXPOSIÇÃO – “BERLIM-RIGA”

Um bilhete de ida foi instalado em um vagão de transporte ferroviário em memória de milhares de judeus deportados da Alemanha nazista para Riga, para uma morte quase certa.

Quarta parte: EXPOSIÇÃO – CASA DO GUETO DE RIGA

Esta casa de madeira de dois andares foi construída em meados do século 19, no subúrbio de Moscou de Riga, no qual durante a Segunda Guerra Mundial foi localizado o gueto de Riga. Em 2011, esta casa foi transferida da Rua Mazã Kalna 21 para o Gueto de Riga e o Museu do Holocausto da Letônia, onde foi reformada. A área total da casa é de 120 m². Durante os tempos do gueto de Riga, cerca de 30 pessoas foram acomodadas nesta casa.

No primeiro andar, uma seleção de réplicas de antigas sinagogas da Letônia foi colocada, bem como a exposição “Itens do gueto”. No segundo andar, é mostrada a recriação de um apartamento do gueto. Móveis pré-guerra autênticos e itens do cotidiano estão incluídos na exposição.

Quinta parte: EXPOSIÇÃO – PRAÇA COM SÍMBOLOS JUDAICOS

Em frente à casa, uma praça com símbolos judaicos, do autor Edgars Kvjatkovskis, está localizada em esculturas memoráveis “Three of Hope”, dedicada aos socorristas letões de judeus, um modelo de loja judaica, letras do alfabeto hebraico feitas de diferentes tipos de madeira e a escultura de menorah (castiçal tradicional)

Sexta parte: EXPOSIÇÃO – GENOCÍDIO DOS CIGANOS

Através dos olhos de Miranda (salão ao lado da entrada da Rua Maskavas) mostra a história do genocídio dos ciganos

Sétima parte: EXPOSIÇÃO – OBRAS DE ARTISTAS JUDEUS

Obras de artistas judeus através dos olhos de crianças mostram reproduções de obras de arte famosas pelos alunos do estúdio de arte criativa infantil “PerspectivART“, que também está localizado no território do museu.

http://www.rgm.lv/wp-content/uploads/2018/01/IMG_20180117_145053.jpg

Oitava parte: EXPOSIÇÃO – PAINEL “LESTE DE AUSCHWITS: MAPAS DO HOLOCAUSTO NA EUROPA CENTRAL E ORIENTAL”

A exposição mostra as origens e ilustrações das políticas do holocausto nos territórios ocupados nazistas orientais na Segunda Guerra Mundial. Do outro lado, é exibido um mapa do legado cultural e histórico judaico da Letônia, mostrando sinagogas, cemitérios judaicos, locais de sepultamento da vítima do holocausto, além de outros mapas dedicados a períodos da história da Letônia nos quais os judeus tiveram um papel ativo.

Nona parte: EXPOSIÇÃO INTERATIVA – SOBRE O GENOCÍDIO ARMÊNIO DE 1915

Criado em comemoração ao 100º aniversário desta tragédia (salão ao lado da entrada da rua Krasta).

No centro Informações, é possível obter informações adicionais de guias e adquirir literatura temática e folhetos informativos em várias línguas, mapas dos locais memoriais da comunidade judaica e da guerra da independência da Letônia, velas e lembranças comemorativas, além de fazer doações para o memorial da floresta dos Mártires de Jerusalém.

Vale a pena visitar o museu, há muitas informações sobre a 2ª guerra mundial. Sem dúvida, a sensação não foi como estar nos campos de concentração de Auschwitz, mas saber que tantas pessoas se foram de forma tão cruel também foi muito triste.

Fonte:
http://www.rgm.lv/
https://www.facebook.com/rigaghettomuseum/

Anúncios

Deixe uma resposta